sábado, 27 de setembro de 2008

Indiscrição




Ah, preciso te contar...
Da canção que te sugere, do deleite que lhe dedico
Da saudade que me fere, da febre dos meus sentidos
Das taças que te bebo, das taras em delírio
Ah, preciso te contar...
Das esquinas que verguei e contigo não deparei
Dos luares que te embosquei, almejando que virias
Da fresta que investi como tu me tomarias
Ah, preciso te contar...
Dos saltos do meu peito quando tu te aproximas
Do faro do meu corpo, que implica ao seu destino
Da inspiração que ao teu balanço palpita em desatino
Ah, preciso te contar...
Dos beijos que atirei no ébano ao teu encontro
Das lágrimas confessas ao mar em alvoroço
Da estrela que adornei meus caracóis pra te amar
Ah, preciso te contar...
Dos meus risos, dos choros, dos sarros, dos sinos
Posto isso só me resta, posto isso tenho pressa
Que atravesse minha voz e saliente meu calar.

(Cris de Souza)

15 comentários:

Felipe Rey disse...

Versos maravilhosamente belos!!! Vc tem no teu poetar a liga lírica de CLARICECÍLIALICECAIOABREU .

Beco da Lua disse...

Conte
enfim o que te escapa entre os dedos,
e o tempo...
Sugira na dedicação desses dias.
Nada te fere, não sonhas em vão
Atropela os instintos
Depara
Esbarra
Toma-te, em primeiro plano
Depois a mim
Conta-me, depois de tudo
Assaltos, faróis, destinos
Se insistes, flagro-te,
imersa nos beijos que guardo pra ti
Nas lágrimas, confessa-te
Apressa-te
Mal posso esperar
Intensa...

agatha_triste disse...

Nossa!!
Lindo poema!
Nada melhor do que a franqueza e coragem de se expor...
Beijos,
Andrea.

fernanda chaves disse...

NOSSAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA!!!
COISA MAIS LINDA INDISCRIÇAO, COMO TUDO QUE ESCREVE. VOCE É PURA POESIA. AMEI, BJS.
NANDA.

Carlos disse...

Como descrever você com palavras?
Adorei essa maravilha que escreveu, viu? Espero pelo seu próximo sol... ilumine com graça minha manhã (mais uma vez). Beijos!

Descrição

Discretamente ela apareceu.
Discrente desse mundo, não acreditei no que vi.
Discrepantes, os olhos meus a reparava.
Descrevi-a como uma lua.
Discriminada das estrelas, pelo simples fato de ofuscá-las.

(Carlos Vital)

Fátima disse...

Simplesmente belo.Suas poesias são sensuais,provocantes e puras ao mesmo tempo.
Adoro tudo que escreves´.
Parabéns e um grande beijo amiga.

Fátima disse...

Blog perfeito.Figuras maravilhosas.Poesias belas que nos tocam a alma.Parabéns amiga.
Bjus

Tatá R. da S. disse...

Sacudiu meus sentimentos...
Invadiu meu coração!

Você tem a facilidade de mecher na nossa emoção...
=*

Marisa Vieira disse...

Uauuuuuuuu! Cris, que versos de-li-ci-an-tes!!!
Amei!
BeijoPoesia*

MariLuz

paulo disse...

Ofegante...musicalidade e insitnto com há tempos não via...parabéns!!

Lúcia disse...

Poetinha-cinderela!

Cd vez que leio seus poemas percebo que algumas leis da Físca estão fora da ordem: vc escreve com densidade, mas exala uma leveza descomunal. Uma pena de urso como uma pluma de pavão!

Beijinhos
Lu-aquarela!

Henrique disse...

te dei o selo

http://sentidoabsurdo.blogspot.com/2008/09/s-lo-intradutvel.html

bruno disse...

Impressionate, indubitavelmente, inevitavelmente, poesia da lua.

Cesar Maia disse...

Nossa Sra das Poetisas...

jj-Soul.dick-973 disse...

Olá Cris-tal
Maravilhoso...
Me fez delirar ao lê-lo e contemplá-lo com mais apreço:
"Não percebendo que havia me encontrado, não notei a transformação.
Não percebendo a transformação “de cara”, deixei que teus versos me levassem.
Deixando que me levasssem, flutuei em te "provar".
Também preciso te contar que me conduzindo, tomei posse de mim mesmo.
E logo que tomei auto-consciência, percebi todos os fatores da "mutação" nada mais eram que necessidade de eemoção, vontade de te contar das esquinas, dos lugares, das pessoas, da saudade que sinto de ti..."
Adorei!!!