segunda-feira, 12 de janeiro de 2009

Palco


Piso leve na escuridão
Faz parte da contra-dança
Brincar com o medo

Piso fundo no clarão
Faz parte da outra ponta
Gingar com os dedos

Ah, sei bem que posso ultrapassar...
Por todas as barreiras
A amplitude daquilo que se altera
Está no descompasso da postura

Ah, sei nem se posso parar...
De todas as maneiras
A completude daquilo que se supera
Está a um passo da loucura

(Cris de Souza)

11 comentários:

O esconderijo do Pinico disse...

Muiiiito bom, já disse
uma valsa aturdida de alma e poesia!

liiiiiiindoooooooo

perfeito!

José Pedro da Silva disse...

cada vez melhor sua poesia...
amo! linda!

Vinícius Remer disse...

Bela poesia.

Tatá R. da S. disse...

Minha mente dançou nesses versos!
Beijos, linda!

Rodrigo Mesquita disse...

"A completude daquilo que se supera
Está a um passo da loucura"

Pois é. Não se pode esperar que se enxergue além sem expor os próprios olhos.

O mundo melhor não é seguro.

Regina disse...

Nossa!! Quanta inspiração e talento... Você tem tudo que nós precisamos para saborear esse banquete de bom gosto e sensibilidade em forma de versos.

Beijoooo,doçura!!!

Cesar Maia disse...

Genial!Sua habilidade em descortinar sua alma de modo tão poético me desconcerta.

Machado de Carlos disse...

No Palco podemos ter várias diretrizes.

Alexandre Spinelli disse...

Cris, como todos, muito bom!
Mas este me encantou mais... achei mais musical, mais preciso, sem ser quadrado... lindo!
Beijo

Luiza disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Giu Missel disse...

lindo, maravilhosa.