quinta-feira, 7 de outubro de 2010

O Reino da Rima

(Salvador Dali)


no lampejo
da língua

a rima
faz a corte

pro bordejo
da tinta

adorna
a coroa
do verbo

no realejo
da língua

a rima
faz o norte

pro velejo
da tinta

arvora
a canoa
do verbo 

(Cris de Souza)

23 comentários:

Zélia Guardiano disse...

Versos lindos, minha querida Cris!
Você é imbatível, menina...
Parabéns, amiga!
Beijo grande!

Domingos Barroso disse...

"arvora
a canoa
do verbo"

e o teu oceano
(surpreendente)
cúmplice das ondas

permite por tua vontade
o deslizar (mágico)
da tua canoa
mais teus verbos
...

Carinhoso beijo.

Cuca disse...

A rima de vento em polpa na lira soberana.

Amo-te!

Beijos de reverência.

Cuca disse...

não fique confuso
muso de alguma
obra-prima
pode ser tudo
amor à rima

(Alice Ruiz)

Marcantonio disse...

As suas rimas são invulgares e contenciosas. Há um espaçamento que as torna ecos sugestivos, como se algo estivesse sendo recuperado, como se a leitura do poema estivesse ocorrendo simultaneamente em dois pontos distintos.
No velejar do seu verbo há uma mão sábia e sensível no leme!

Beijo.

Pólen Radioativo disse...

Cris...
Sabes o que mais gosto na tua poesia?
É que pra mim ela é como aquarela. É plástica, imagética... Adoro versos que me permitem visualizar um quadro, uma imagem...
O que escreves é literal e literariamente: Arte poética!!!

Muitos cheiros, linda!

« Katyuscia Carvalho » disse...

A rima, aqui, é arrimo para música!
Parece que a língua escorre na letra, como luz de farol.

Muito talento, Cris.

tonhOliveira disse...



"Pintando e remando
em mares letrados!"

Cores daqui e dali,
nas ondas só letras...

:)

Paulo Jorge Dumaresq disse...

Reino, rima e nunca dor.
Você sabe exatamente determinar o ponto de liga do poema.
Lindo de viver.
Bjs, poetisa.

Assis Freitas disse...

a rima faz a corte e o corte, faz do verbo acoite, do verso azougue,
ave de árvore canora


beijo

Albuq disse...

Lindos versos... rimas e caminhos.

Saozita disse...

Olá Cris, gostei muito deste lindo poema, com sonoridade, com alma.
Parabéns.

Bom fim de semana.

Sãozita

Jorge Pimenta disse...

quando o norte e o sul se fazem pontos cardeais únicos na bússola dos versos... sempre em excelente forma, esta querida cris!
um beijinho!

Úrsula Avner disse...

Olá querida,

imagens poéticas fortes e lindas neste poema canção... Bj com carinho.

Machado de Carlos disse...

As palavras se procuram. Encontram-se. É a União da Poesia. Você é uma poetisa. Você é um poema.
Beijos fraternos de Coração para Coração!

PauloMitchell disse...

Gostei (:

Machado de Carlos disse...

O mundo naquela noite era das rimas. Não encontrei a rima certa. E a palvra foi para o Espaço. Daqui ouvia o Som da algaravia que burbulhava no quintal.

Cida disse...

Ai, menina Cris.
Com que facilidade nesse seu "Trem", ou nesse seu "Reino", você baila com as palavras!
Elas, realmente, tem o encanto e a leveza das borboletas.

Volto prá casa, mas levo-as comigo no coração.

Beijinhos, e tudo de bom prá você.

Luz e Paz!

Cid@

Paulo Vitor Cruz disse...

saudades de passar por aqui e ler-te os escritos todos.. vi aqui os últimos e principalmente a data dos últimos.. tens postados com bem mais frequência q antes.. q bacana isso... ponto p vc..

*o reino da rima combina com Cris..

besos.

Lídia Borges disse...

No lampejo
da língua
vejo o verso
expresso
num acesso
de tinta
distinta



Lídia Borges

Machado de Carlos disse...

Deliro
no milagre
do teu rosto
Preciso de ti,
bela música!
Ouço o dedilhar
da nota da lira!...

Lídia Borges disse...

Voltei para pedir desculpa por me ter apropriar, distraidamente, das SUAS palavras "No lampejo da língua"

Trago as aspas comigo e coloco-as agora:

"No lampejo
da língua"

Um beijo

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Rima pinça.ela... :)