domingo, 20 de janeiro de 2013

APENAS



Somente de ti
Não escondo
Onde me perdi:
Entre os teus assombros

Somente de ti
Não escondo
Onde me parti:
Entre os teus escombros

Sitiando assombros
Raia a tua sombra
A me sufocar

Situando escombros
Resta a tua sombra
A me sustentar

(Cris de Souza)


* Imagem editada, retirada daqui.

9 comentários:

Fernanda Fraga disse...

Cris, magnífico!

Beijos.

Fernanda Fraga disse...

Cris, sublime!
Beijos.

Joelma B. disse...

a sombra do escombro que ampara... e a lira acontece!!

bem ao teu estilo, Cris!!

Beijo!!

Assis Freitas disse...

se fosse apenas, mas é um tanto


lindo


beijo

Pedra do Sertão disse...

Tão bom passar por aqui e conhecer tua poesia!

Tania regina Contreiras disse...

E volta com tudo! :-) Beijos, Cris.

Ira Buscacio disse...

O Assis, como sempre, arrasou no comentário, que vou acrescentar mais um detalhe: é um tanto de tantão!

Estou sempre a espera desse Trem que me revela um imenso
bjão, menina dos olhos mais bonitos da praia

Luiza Maciel Nogueira disse...

boa na rima essa menina

beijos

eurico portugal disse...

do que escondo e do que encontro: assombros-escombros naquele olhar algures entre o gume e a carne.

beijos de cris-tal para palavra sempre certeira!