terça-feira, 23 de setembro de 2008

Desordem



no abismo apalpa
pelo tato
fascínio encapa

do cismo escapa
pelo salto
domínio destaca

é haste que alta
sobra do alarde
que me queixa
sem fineza

é parte que falta
dobra da verdade
que me deixa
sem clareza

(Cris de Souza)

5 comentários:

Felipe Rey disse...

Poema firme no ritmo & coeso na forma contido no bom contéudo. Lindo!

Beco da Lua disse...

Desordem chamusca
desorganiza-te
acomoda as coisas à mesa dos questionamentos
comporta-te como queira
não esconda-se na dobra da verdade que supões
estampa desejos e caminha
ou desorganiza de vez esse sentido
amo suas letras, como a ti mesma

Tatá R. da S. disse...

Desordem, desconcerto, confusão... bem identificador! ^^
Trouxe calma...gostei muito! ^^

Marisa Vieira disse...

Parabéns Cris, como sempre derramando talento em nossas almas!
Obrigada

beijoPoesia*

Cesar Maia disse...

O que me deixa,felizmente-sem clareza,é teu domínio sobre as palavras...Acabam sendo o que queres que sejam.