quinta-feira, 9 de outubro de 2008

Oceano



fingia dormir
percebendo as ondas
vagas do mar
meio lento
por baixo vapor no ar

urgia fugir
merecendo os pés
da saga voar
seio ao vento
por cima a volta dar

nos ais
um marulho demente
sal a se ancorar
no oriundo ausente

no cais
um barulho indecente
nau a se livrar
do fundo presente

(Cris de Souza)

7 comentários:

Fátima disse...

Cris,sem palavras.Vc sabe que amo o mar.Ele me enche a alma de vida,esperança,desejos...
Suas paisagens são sensacionais,de muito bom gosto.Parabéns amiga.

Marisa Vieira disse...

Vc se supera a cada dia!
Ma-ra-vi-lho-sa!

BeijoPoesia*

rai2007 disse...

Toda a paz de tudo
eu tenho nesse azul.
Chuva clara,
rio azul,
o mar,
o azul,
o oceano é toda a alma.

Tatá R. da S. disse...

Obrigada por ter me levado à praia sem sair do lugar!!!
O sal do mar me deu água na boca!

doka disse...

Toda nua favorita , a dança começou,
E ela com suas pegadas na areia vinha ao mar se acalmar.
O sultão então mandou matar,
Como fugiste daqui que é o seu lugar?
Acordou suando, assustada, mas estava bem, tinha sentido o vento em seus cabelos, ouvido o mar e pisado na areia fofa .
Estava pronta para a morte súbita.
Foi um sonho, mas lindo demais.
Agora dançava para a corte, mas a lembrança deste ficará para sempre
em sua mente.
VOCÊ É O MÁXIMO MINHA POETISA.

Cesar Maia disse...

Convidou-me a lembrar
que o mar foi testemunha
de que amei.

Telles disse...

São obras como essa, q enobrecem a alma e nos faz almejar algo melhor!
Rainha minha!!!