segunda-feira, 19 de janeiro de 2009

Nem eira


nas águas que navego
por ventos vacilantes
volúveis são as ondas
noite e dia escorrego
cuidado ao atravessar
a rota é o instante
sem beira é meu mar

(Cris de Souza)

8 comentários:

O esconderijo do Pinico disse...

"sem beira é meu mar"


amo mergulhar na tua poesia!

(Marta Selva) disse...

adorei.
eh de se afogar num mar sem começo nem fim.
;*

Henrique disse...

onda de beijo na boca pra você!

rai2007 disse...

Sem eira, sem beira, quando foge o amor.

Lucas de Oliveira disse...

posso me afogar aqui. (?)

Beco da Lua disse...

não é errante seu canto
nem volúveis as ondas
são cíclicas
não guarda na concha qualquer sentimento seu
seu mar é vasto
a beira é o abismo de não tentar
quase eira

~PakKaramu~ disse...

Visiting you

Cesinha disse...

É doce amar no mar.