segunda-feira, 5 de janeiro de 2009

O Beco


No que encosto
Antes estia
Em brilho cálido
Meu dia

Conduz viciado
O fluxo da estrada
Que ofega esquina

No que contorço
Depois afia
Em trilho pálido
Minha via

Reluz desviado
O pulso da morada
Que renega sina

(Cris de Souza & André Ulle)

3 comentários:

FUMADOR disse...

Adoro como escreves.
bonito blog visite tb o meu

O esconderijo do Pinico disse...

hahaaaaaaaa
sina divina!

preciosa!

Beco da Lua disse...

Beco não tem tramela
embora trancado pareça
embora pequeno ofereça
espaço para andarilhos
noturnos desejos...
grande é!