domingo, 4 de janeiro de 2009

Mar aberto



Mar alto
Caminho nivela
Ao encontro do cais
Consciência navega

Aporta vento
Mergulho na onda intimista
Por todo semblante saliva

Mar alto
Redemoinho vela
Ao confronto dos sais
Contundência trafega

Corta alento
Barulho na onda explícita
Por todo horizonte a deriva

(Cris de Souza)

8 comentários:

Beco da Lua disse...

e não é que palavras nivelam
enquanto a consciência espera
por onde saliva navega?!

em altos mergulhos
redemoinhos brotam
barulho de onda

ah, mar
abre de vez esse caminho
ao encontro dos sais

José Pedro da Silva disse...

dá para se perder nesse mar aberto, com a beleza de seus versos...
beijossssssssss

Carlos disse...

Uau... vim aqui saborear sua sonoridade e suas palavras, acabei me afogando nelas. Adoro muito tudo que vem de ti! Beijos.

Vital

O esconderijo do Pinico disse...

"Por todo semblante saliva"

ele é todo bom, perfeito

mas aqui
aqui
aqui é
mágico!

mar, sal. descrição perfeita!

rai2007 disse...

Almas maiores bebem os segredos do mar para tranformá-los/transportá-los em poesia.

rai2007 disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Tatá R. da S. disse...

Esse poema nos mostra como o mar é turbulento, agitado, itenso e confuso como nosso corações.

Marisa Vieira disse...

Cris que belo poema, senti a delícia e agito das ondas!

beijo da Marisa