domingo, 22 de março de 2009

Revoada


bem-te-vis
gorjeiam livres
afloram raízes

olhos infantis
voejam anis
renascem matizes

fecundos cânticos
nas asas da íris
aos cílios dos cântaros

(Cris de Souza)

13 comentários:

DJ Anael disse...

Lindo dia o seu!

Cuca disse...

Lira que levita!

Tatá R. da S. disse...

Me deu vontade de flutuar!!!

José Pedro da Silva disse...

seu blog está lindo!
seus poemas cada vez melhor.
voce cada vez mais linda!!!!!

beijosssss

samukalong disse...

Lindo como sempre

Paulo Vitor Cruz disse...

o modo como foi escrito me lembrou aqueles haicai's...ou seriam hai cai's? haikai's?...bem, eu num sei como escreve...mas me lembrou aqui aqueles poemas de origem japonesa...não pelo formato...acho que pelo espirito da coisa mesmo...
bem é quase isso q eu disse...risas...

*aparece p teclar...

bai.

Anônimo disse...

Chego de viagem, cansado, e me deparo com esse poema lindo seu.
Fiquei sem ar e sem palavras.
Só posso dizer que amo seus escritos e amo vc também, muito!!!
Beijos, minha Ingá

Lilian disse...

Divino !
Amo tudo que você escreve Cris.
Muitas vezes fala por mim . *-*
Beijo carinhoso.

Machado de Carlos disse...

Belíssimo poema! Sonhador.

Rosemildo Sales Furtado disse...

É sempre gratificante invadir o teu espaço. nele encontramos o que existe de mais belo e profundo.

Abraços,

Furtado.

Carlos Augusto disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Carlos Augusto disse...

Lindo! Compara-se ao que sinto ao pensar em ti toda a manhã... Radiante! Saudades de ti, meu bem! Imensas...

D. Versus disse...

Um dos olhares é o meu,
a encantar-me com tua ternura.
Isso é natureza autêntica.