segunda-feira, 8 de junho de 2009

Dos musgos mares


Águas vivas
Vertem ébano
Fundo inverno

Velhas ondas
Vagas tortas
Falsa encosta

Chuva estia
Vento revira
Vulto transpira

Rumo à deriva
Raia incrédula
Lágrima fria

(Cris de Souza)

7 comentários:

Tatá R. da S. disse...

Seus versos transformam o ambiente.
Lindo, lindo!

Beijo, mamis!

Cuca disse...

Deu o bote!
Essa marulha é agulha.

Lilian disse...

Lindo!
Como sempre.
Beijo poetisa !

José Pedro da Silva disse...

adoravelmente... adoravel!

besitos!!!

Machado de Carlos disse...

Olhos: - janelas para o mundo!

Paulo Vitor Cruz disse...

me lembrei de um escritor aqui agora...bem, eu n tô lembrando o nome dele...risas...(q vergonha, né...sou péssimo de nomes...)

bem, qto ao texto...refinado como sempre, né...métrico, conciso e envolvente...

*vou tentar lembrar o nome do bendito...

bai bai.

Úrsula Avner disse...

Olá Cris, prazer em te visitar ! Linda poesia de um lirismo tocante e profundo ! Cheguei até voce através do blog Herdeiros poéticos. Amei seu espaço da poesia ! Vou linkar voce . Bjs.