sexta-feira, 16 de abril de 2010

Desejares

O desejo percorre mil léguas, transcende qualquer universo e seus absurdos sem trégua. A olho nu, à queima roupa, à soltas ventas, beirando as vestes da lenda. Por toda fenda desorienta, tenta a pele que vibra em febre, no ponto alto da cerne. Toma pelo pescoço, ateia o corpo até o osso das partes mais amenas. O desejo sai da tocaia, da raia, da saia. A boca permissiva, se acende nesse clima de cismas. Prima pela abertura íntima da procura, onde o hálito faz hábito nos lábios que gesticula. O fogo não nega rogo nas preces imersas, prelúdio à pressa. Envolve todas as faces descobertas, consagra o enlace numa sangria desatada, por línguas veneradas. O desejo tende à soltura dos delírios, deleites, destinos supremos - sobre prisma do mais casto veneno. Preso ao pecado- entre lençóis libertos- se reinaugura: sem cálice, sem culpa, sem cura. No auge das águas se movimenta e a todo grau apresenta novas formas de milagres e oferendas. O desejo destila lírico, latente, lascivo e põe qualquer breve razão ao constante perigo. Tingido de branco à deriva, todo teor faz vez ao manto da loucura que aviva. Profundas origens se camuflam no seu transparente templo, desde o tempo da inocência, que há muito – escorreu entre as pernas – e se perdeu no extremo da mais pura experiência.

(Cris de Souza)

33 comentários:

Paulo Vitor Cruz disse...

Ah, o desejo... não há razão ou juízo q resista aos anseios do corpo...

*e viva a perdição!

besos.

Cuca disse...

Nossa senhora das liras! Abalou, embalou com gosto de quero mais.

Simplismente ES-CÂN-DA-LO!!!

Cuca disse...

Não se cale jamaaaaaaaais!!!

Minhas reverências, sinhá louca.

e.black disse...

oque dizer de sua ultima grita
eu não sou um anjo, nem hermes
repito sempre sua poésia beija minha alma, Cris de Souza, vc é
um bruxa, por favor continue fazendo com que a primavera venha mais cedo e demore mais a ir enbora. e.black

malu jacques disse...

Desejo... quanto deles escondido lá no fundão de nossas almas!!!
Você perfura o ser, arrasa, entra sem medo no nosso íntimo e sacode, mexe, remexe e ainda abranda... faz carinhos!!!
Ummmmm você... uma deusa da poesia...
Te gosto demais... seja sempre presença em minha vida!!!

Pedro Melo disse...

isso que eu chamo de desejo!
beijo mente que brilha!

flaviopettinichiarte disse...

Detive o trem e escutei a Lira..
O que falar do desejo depois deste hieroglífico desvendado com os teus signos-palavras?
Explorar à profundidade é trabalho de poucos...mergulhar nessas profundidades e entrega de eleitos... Parabéns artista-arteira das palavras... esqueça minha devoção de “deusa” , leve sim de mim toda a admiração por ser você o ser Humano que é!
não quero sossego, quero a velocidade suicida dos teus versos...

Úrsula Avner disse...

Oi Cris,

o desejo é mesmo arrebatador, sobretudo o desejo sexual que tão lindamente você descreveu em seu texto poético... Bj com carinho.

Regina disse...

Desejo... é sempre assim, chega e invade todos os poros, sem pedir licença , sem avisar com antecedência.


Sacia. E quando não sacia ... maltrata !

Beijos + queijos !!

Machado de Carlos disse...

Eis que surge a carne. A carne pode se um “cadilac” de alegria, todo pintado de bronze! Ou uma cor esverdeada; uma esmeralda!
Para percorrer o dirigível há necessidade de um remador. Por incrível que pareça a nome do remador é alma. Sem a alma o sangue não corre nas veias. O Sistema nervoso recebe a ordem da alma, para um prazer absoluto. São fios eletrificados de um órgão ao cérebro. (O Deus do Corpo).
A Carne somada à outra carne; enfim chegam ao amor profundo! A sensação como se forem revistas em quadrinhos. Em suma, enquanto corpo e alma precisaram desse carinho. Sua escrita foi em um momento de carinho. Uma lembrança inesquecível, subjetiva! Alegra-me ao ler tão belas palavras enlouquecedoras de poesia.

REGGINA MOON disse...

Cris,

Lindo os desejares da alma, escritos com a sua intuição e grande sensibilidade!!

Maravilha poetisa!Sempre meu carinho e admiração!

Beijos!

Reggina Moon

Antonio disse...

Me lembrei de algo que escrevi sobre desejo:

"O desejo que por ti sinto
chega sempre de repente
me embriaga feito absinto
e me envolve como serpente..."

Mas esse desejo que vc descreve com tanta intensidade e maetria me deixou arrepiado, me estremeceu todo e me deixou sem palavras...

Silencío e te rendo reverências, em êxtase.

Beijos, minha Ingá.

Por que você faz poema? disse...

Realmente, o desejo desconhece distâncias.

Nocturna disse...

Ahhhhh sereia ... vc fala em desejos sentindo -os e já me faz sentir.
Vivencio cada linha... sensações minhas despertadas por esse seu talendo lindo.
Beijos e beijos!

A.S. disse...

Cris...

«O desejo percorre mil léguas, transcende qualquer universo e seus absurdos sem trégua.»

O desejo é irreprimivel querida!
Excelente, belo e sensual o teu texto... aafff!

Beijosss
AL

Machado de Carlos disse...

Um pássaro azulado estava preso em sua gaiola. A única comunicação com o mundo era um pombo correio-correio, que todos os dias, sem falta; passava por lá e lhe trazia notícias. Através dessa ida e vinda de correspondências uma linda pássara encantada conheceu o pássaro azulado. Ela conhecia apenas a sua letra. Adorava a letra do pássaro. Começou a lhe entregar, diariamente, muitas cartas. Nas cartas nunca deixava de elogiar as idéias do pássaro, preso na sua gaiola particular. De outro lado o pássaro não entendia bem aquele volume de cartas que entortavam o bico do amigo pombo-correio. Pudera, a passarinha escrevia coisas lindas! O pássaro foi gostando dessa idéia e se sentiu cativo de tantas cartas perfumadas. Certa vez, como prometera, a pássara encantada apareceu por lá. Apaixonaram-se. Foram felizes! Bem, a pássara era nômade e tinha a sua natureza. Contra a natureza não se deve lutar, não é? O pássaro azul também tinha a sua natureza, porém, era preso. A pássara encantada foi-se. Tinha lá outras visitas. Nunca mais deu trabalho ao pombo-correio, que todo dia chegava com o seu bico praticamente vazio. Só restava ao pássaro escrever mais cartas a esmo. Sentia a falta da pássara. Chorava, chorava, chorava!...
Hoje voa livremente no Além-túmulo!

seu gordo disse...

concordo em genero numero e gral ficou muito bom rsrsrs beijo do gordo bom final de semana

Machado de Carlos disse...

Depois das ondas afogado no mar de maravilhas, por que não vir aqui e cultivar um carinho que somente as estrelas do Céu nos presenteiam, sentindo o Amarige Givenchy, um perfume encantador da noite cheia de luz.

Marisa Vieira disse...

Desejo, desejo sim, desejo mais!!!
Genial Cris poeta querida!
Ando meio distante, até do meu próprio blog...rsrs
Apareça por lá tb, venha iluminá-lo com sua lira!

beijo da amiga/fã
Mariluz*

Luciano Lopes(Lupi) disse...

sua poesia grita...e carne viva hunana...

amo o que vc escreve!

bjos

Machado de Carlos disse...

"Uma amizade verdadeira é um pacto que levamos durante toda nossa vida, quando dois amigos se identificam, se tornam cúmplices de seus atos e pensamentos um laço é criado no qual ambos ficam ligados para sempre."

Uma frase muito válida. Agrade-lhe sempre por tê-la como uma grande amiga. Que está sempre palpitando ao meu lado esquerdo do peito.
Um grande abraço, Cris! Por que não dizer-lhe: - Um grande beijo?!

Lara Amaral disse...

Interessantes seus escritos.

Obrigada pelo comentário, moça!

Beijo.

Valéria disse...

PUTZZZ que texto incrível!!!! o homem que inspirou essas palavras deve estar flutuando de alegria!!!
E mesmo se ele não souber (as vezes escrevemos e não endereçamos, eu sei como é isso muito bem), ele é um cara de sorte por ter seu coração, poetiza!

BeijooO'

Jorge Pimenta disse...

Cris, este texto é um manifesto ao desejo. Profunda conhecedora das emoções que, pela conjugação das partículas do ser, conduzem à redenção, não individual, mas dual.
Um beijinho e obrigado pela visita ao viagens de luz e sombra.

Matéria Escura disse...

brigado pela visita.

desejo é o senhor da boa (des?)aventurança

hey, muito bom esse texto hein. linguagem foda.

Machado de Carlos disse...

Algum dia...
Machado de Carlos

Amor, não lute para sair de mim,
Para eliminar-me da tua mente.
Só eu sei o que o meu coração sente!
— Tu és o meu Sol, o meu tudo, enfim!...

Hoje, a ausência é um mal necessário...
Serei algum dia a tua salvação;
Teu nome d´ouro, no meu dicionário,
de mansinho, faz brilhar meu coração.

Teu pulso, desordenadamente,
Não se preocupa com o tempo que é vão;
Assim estarei sempre em tua mente
Seguirei teus passos na escuridão.

Patrícia Lara disse...

Olá, Cris! Como vai você?

Estava com saudades de ler os seus versos, essa sua sensibilidade à flor da pele encanta a todos que por aqui passam. Parabéns! Seu espaço continua maravilhoso!

Eu estive afastada da net um período, mas preparava outro blog neste interím, então, vim convidar-te a me visitar em meu novo espaço. Ficarei imensamente feliz com a sua presença, viu?

Beijos
Patrícia Lara

Machado de Carlos disse...

Fiquei muito feliz, sabia? Por quê? Porque uma luz entrou em meu portal. Sempre é uma felicidade quando você chega com vestes de púrpura. Uma energia enobrece a minha alma! Obrigado!

Líria disse...

Lindo texto, com palavras tão intensas sobre sentimentos devastadores...

Líria

Hana disse...

Eu hoje estou de turista viajante acabei conhecdno este lindo e meigo cantinho da emoção amei aki fico aki te sigo e aki venho ler seu coração sempre.
com carinho
Hana

Lili disse...

Esse tal de desejo é um trem difícil de ser controlado ...

Pedro Aruvai disse...

sempre Cris!
Cris sempre!
Poeta, mãe!
Cris! Cris!

Machado de Carlos disse...

A mulher é um ser muito especial, uma beleza cósmica mesmo, principalmente quando ela tem uma residência fixa dentro do nosso coração; um sinal forte de amor que é base de tudo; um sentimento de muita cor, espargindo beleza aos cantos da alma, já em festa.
Receba um grande abraço por este dia tão especial dedicado às mães!
Obrigado pelas belas mensagens deixadaz em meu blog!