quinta-feira, 10 de junho de 2010

Desde os primórdios

Só tu me desconsertas
Por que me olhas
Enquanto me caças
No rubor das frestas

As aparências do rumo
Descaminham na selva
E os temores se perdem
Entre os laços

Pro teu bote, dou a fita
Até sugar todo o veneno

Só tu me desconversas
Por que me molhas
Enquanto me laças
No furor das florestas

As transparências do sumo
Desalinham na relva
E os primores se prendem
Entre os lábios

Pro teu toque, dou a tinta
Até sentir todo o sereno

(Cris de Souza)

28 comentários:

Machado de Carlos disse...

Profundo. Emocionante. Minha Prece foi ouvida. Tive a luz de um anjo espacial. Verdadeiro. Beijo-lhe os pés? - Ah!... Aí será outra poesia itinerante no mesmo Solar.

Felicidade Clandestina disse...

Nossa! Quanto tempo!

andei caçando seu blog, e ele simplemente sumiu, rs.

te achei por um acaso.

a poesia nos une:) rs

que bom voltar a ler seus versos Cris :)

Ribeiro Pedreira disse...

um poema silvestre que destrona a selvageria imposta às nossas mentes pequenas.
Bj

Nádia disse...

Como negar ??


Só tu me desconsertas com tamanha sensibilidade e talento.

Laçada certeira...


Adoro-te !!

Lara Amaral disse...

Seus poemas me tiram o fôlego!

Beijo.

Jeff disse...

Meu Deus!!!!

Deliranteme maravilhoso, a métrica do seu texto me instiga a te ler mais....=D

Anônimo disse...

Uma serenidade contida no fogo das entranhas. O porquê é um mistério. Quanta beleza neste sacerdócio pagão!

Gutemberg Soberano.

Machado de Carlos disse...

Hoje (3h18) Só podemos repetir um dos melhores versos que fizeste.
Aplausos de pé!...

Só tu me desconsertas
Por que me olhas
Enquanto me caças
No rubor das frestas

As aparências do rumo
Descaminham na selva
E os temores se perdem
Entre os laços

Pro teu bote, dou a fita
Até sugar todo o veneno

Só tu me desconversas
Por que me molhas
Enquanto me laças
No furor das florestas

Assis Freitas disse...

fascinante, de deixar sem fôlego,

abraço

Valéria Sorohan disse...

Existe uma beleza imensa na exposição de suas víceras sentimentais…Nossa. Você escreve tão bem que dói.

BeijooO'

Jorge Pimenta disse...

este poema aponta ao jogo de simulações e dissimulações, verdades e meias verdades, piscares de olhos discretos e agarrões tácteis, sorrisos e esgares, versos e inversos... que as relações homem/mulher sempre sugerem, num qualquer momento. só a poesia consegue mesclá-los com maestria! e a tua mão é a responsável!
um beijinho!

Machado de Carlos disse...

Monte Aprazível

Move: — flores na tríade divina!...
Os dias ao luar: — A mente vislumbra!...
Nossos corpos unem-se e alumbra
Todos os néctares da colina!

Estou a contemplar-te: — menina...
Altiva unem lábios na penumbra,
—Perdemo-nos nas cores; — em suma
Raro perfume enfeita; — alma felina!...

- A Rainha chegou com seus florins
Zeus: - Enfeitou de rosas os jardins
Incrível teus cabelos: - um anelo!...

Vi teus lábios tal qual um vulcão
Eles encantam meu coração
Livres... Soltos... Estamos no mar vermelho!...

Machado de Carlos

~*Rebeca e Jota Cê*~ disse...

Adorei!

Mara Araujo disse...

Cris, Dim... Entre a magia e os desdobramentos, existe você!
Verdade perene e absoluta. Meio de salvação. Te amo, te caço entre os laços entre as fitas...

renathab disse...

Muito lindo, Cris!!

Nossa, há quanto tempo não lia seus escritos! Desde o tempo do Labirinto Cris-Tal.

Voltei pro blog! Vou voltar aqui sempre...

Úrsula Avner disse...

Oi Cris,

Ao ler seu poema, tive uma sensação parecida com a da Lara... Perdi o fôlego... Belo, sensual, arebatador. Bj grande,

Úrsula

Cáh Morandi disse...

Não tem pra ninguém: tu é a melhor! Vou te ver brilhar muito ainda...

Zélia Guardiano disse...

Lindos versos, Cris!
Tão objetivos e , ao mesmo tempo, tão etéreos...
Um grande abraço

Paulo Vitor Cruz disse...

elaboradaço esse.. aonde é o teu limite?

besos, chica, saudades.

ਏਓLú Limaਏਓ disse...

Adorei seu Blog e a sensualidade com que escreve. bjs no core!

Machado de Carlos disse...

Levitar faz bem para as almas, principalmente quando elas estão encarnadas e se reencontram num sonho profundo... Daqueles sonhos que dificultam o nosso retorno ao mundo materializado. Entretanto, materializados também chegam ao mundo espacial e especial com os dedos entrelaçados!
Beijos!...

Everaldo Ygor disse...

Nos primórdios do toque, do olhar, do ritmo que o poema dita.
Enfim belo, mergulhando em uma floresta de corpos, laços e tesão...
Saudações Poéticas
Abraços

seu gordo disse...

vc esta se especializando de forma linda e com assinatura mais que pessoal, poder ler ja identifica quem escreveu vc tem uma forma especial parabens desse gordo fa seu, bj grande fica na paz

Nocturna disse...

Só tu me desconsertas...
Só tu me desconversas...

Marcante e irreverssível é quando encotramos alguem com o Dom , a magia nas mãos e no coração para fazer nos desconsertar e nos desconversar sutilmente.
AMOOOOOOO!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Beijos

REGGINA MOON disse...

Cris querida,

Lindo, lindo o seu novo layout!Adorei!

Mais um maravilhoso poema que voce nos presenteia...

(...)
Só tu me desconversas
Por que me molhas
Enquanto me laças
No furor das florestas
(...)

Quanta sensibilidade cabe dentro de seu coração!!

Um grande beijo e ótima semana!!

Reggina Moon

Machado de Carlos disse...

Tudo lindo como a própria autora dos versos e do blog!

e.black disse...

desdo dos primordios, creio eu que
a poésia de CRIS DE SOUZA, me toca profundamente, ela a poésia de CRIS
sempre fala diretamente com minha alma.

Sylvia Araujo disse...

Fiquei repetindo os dois últimos versos, até a boca salivar.

Que lindo, Cris!

Beijo, beijo