quinta-feira, 23 de setembro de 2010

Entre tanto

(Amanda Cass)



o que eu quero
é um caso sério
que beire ou mergulhe
a loucura ou o mistério

o que eu quero
é um caso sério
que baste ou borbulhe
a lisura ou o etéreo

entre o sim e o não
uma possibilidade irrestrita
entre o amor e a solidão
entre a cura e a ferida

entre o fim e o vão
uma polaridade infinita
entre a cor e o borrão
entre a morte e a vida

(Cris de Souza & Cáh Morandi)

20 comentários:

Pólen Radioativo disse...

Entre a beleza e o absurdo... Eis a perfeição.

Lindo demais... Além dos teus versos Cris, agora estou encantada também com a arte da Amanda.

Beijinhos...

Cuca disse...

Entre a vogal e a consoante: a lira cristal.

Tudo que leva teu traço, brilha, meu amor.

Uma pérola!

Beijo, majestade.

Cuca disse...

Não desças os degraus do sonho
Para não despertar os monstros.
Não subas aos sótãos - onde
Os deuses, por trás das suas máscaras,
Ocultam o próprio enigma.
Não desças, não subas, fica.
O mistério está é na tua vida!
E é um sonho louco este nosso mundo...

(Quintana)

ROSANA VENTURA disse...

Ai que lindo!!!!!!!
Sim, descobri que há vida na Blogosfera!
bjosssssssss

Domingos Barroso disse...

Da alma.
Das vísceras.

Um poema inquieto
entre cílios trêmulos
e olhos focados no além
da grande janela aberta.

Carinhoso beijo.

José Carlos Brandão disse...

Entre a morte e o mistério,
entre o amor e a solidão,
a música da poesia
no mesmo diapasão.

Gostei, Cris. Um beijo.

Daniela Delias disse...

Cris! Estive uns dias sem internet, morrendo de saudade de tudo por aqui...poema lindo demais! Sensual, musical...fiquei dançando do lado de cá! Beijão!

Zélia Guardiano disse...

Lindo demais, Cris!
Perfeito!
Adorei...
Beijo

Assis Freitas disse...

entre tantos entretantos,

beijo

Pedro Melo disse...

maravilha!

Valéria Sorohan disse...

Entre Cris e Cah Morandi, sensibilidade e poesia pura.

BeijooO*

Machado de Carlos disse...

Quero viajar ao mundo, envolver-me em um caso não muito sério, mas que eu possa mergulhar desarvorado, e mergulhar nos mistérios. E quem não gosta de se aventurar nas loucuras à procura do mistério?

Aliás, o que é desconhecido abre nossa mente. Precisamos descobrir o que está oculto!...

Borbulhando encontramos a lisura; — uma pele lisa que nos leve ao prazer do etéreo, enquanto há peles da mocidade.

Sim e não. Qual dos dois escolher? — Poderíamos escolher “talvez”. “Talvez” — Já seja um caminho a nos dizer que estamos chegando “quase lá”. Basta insistir.

O remédio para uma solidão que nos causa corte e, obviamente uma ferida pode ser curada com um simples remédio; — O amor em si, que vale muito. E o outro remédio pode ser de ouro, matéria prima para uma noite intensa, só de prazer num ato de Amor.
Na polaridade existe o sinal positivo, a fase que ao encontro do negativo acendem luzes e me vicia ao computador.
Com as luzes, todas incandescentes, encontramos uma Nova visão para o mundo.
A Morte? Ainda é cedo para pensar nela. Precisamos do tempo. O tempo pode ser agora, senão seremos levados pelo próprio tempo ao mundo dos espíritos. Ficam apenas lápides, pois o mundo material é ilusório.

Jorge Pimenta disse...

entre tanto e entre tudo, eis como a obra nasce: sempre nas pontas dos dedos daqueles que têm o gel líquido da tinta a bordejar as unhas por onde escorre o aparo da poesia. aqui viaja-se como em lado nenhum. o trem até asas ganha a cada renovado texto teu.
és fantástica!
um abraço!
obrigado pelo carinho que me deixaste nesta minha quase ausência. aos poucos vou regressando!

Priscila Rôde disse...

MARAVILHOSAS!

Úrsula Avner disse...

Oi Cris,

versos arrasadores num poema de temática profundo com o lirismo peculiar e belo que vc sabe versejar tão bem... E essas imagens da Amanda Cass são show ! Bj grande minha querida.

helen ps disse...

Estamos sempre entre... perpétua dualidade. E assim somos!

Abraços

PAZ e LUZ

JB disse...

Entre o branco e a cor nascem míriades de palavras que ganham alma numa poesia como esta!

Parabéns!

Beijinho

afonso rocha disse...

Voltei para ler este poema novamente e comentar...

...como num passe de magia...
não é o que todos no fundo...procuramos???

Um poema para meditar...e escrevê.lo na parede do atelier!!!!
Magnifique!!!!

Beijos

Cáh Morandi disse...

você me faz feliz!

« Katyuscia Carvalho » disse...

Eu já era fã da Cáh Morandi [mais uma fã], e agora, tenho um par de flores num mesmo jarro de divas poéticas.

Belo dueto em uníssono!
.
.
.
Dois beijàflores.