quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

Alogia


(Duy Huynh)


canto dentre 
a linguagem pouca   
                e o gesto falante                    

desperta alogia
o verso na boca
     que lambe meu dia  

canto dentre 
a  linguagem rouca
e o gesto forçante 

despeja alogia
o verso na boca
que leva meu dia


(Cris de Souza)

25 comentários:

Henrique disse...

belo

Leonardo B. disse...

[em qualquer eventualidade, o tesouro do dia que se esconde no dentro da palavra, afinal está onde sempre deveria estar: dentro de nós]

um imenso abraço,

Leonardo B.

Tatuagem disse...

Lindo...calmante...

Beijo

RAA disse...

muito boas as imagens
e bem balanceado

Vanessa Souza Moraes disse...

O verso na boca, a boca na boca :)

Beijo, Cris.

ROSANA VENTURA disse...

Tão gostoso ler-te neste finalzinho de tarde ensolarado...
Lindo!
bjosssss

Tania regina Contreiras disse...

A brevidade evocada na suavidade do poema; Belo, Cris!
beijos,

Domingos Barroso disse...

é esse revoar dentro de ti
que te faz imensamente linda
...

beijo carinhoso.

Assis Freitas disse...

absurdo que nada,


beijo

Eder Asa disse...

É respirar poesia boca a boca...

Machado de Carlos disse...

Da boca saíram mil palavras encantadas. Era um dia especial, embora os pensamentos estivessem perdidos na afasia.
Depois do dia, a noite se transformou em brincadeiras pueris.

Jorge Pimenta disse...

texto-alogia com.sentido. a falta de lógica reside do lado de fora.
um beijo com pimenta em taça de crist.tal!

Rodrigo Braga disse...

Realmente lindo e cheio de lirismo.

Feliz por passar por aqui.

Pâmela Grassi disse...

O canto no canto da boca escorre palavras,

Cris, tua poesia escorre boniteza!

um beijo, querida!

Paulo Vitor Cruz disse...

uma verdadeira alogia..

besos.

Úrsula Avner disse...

Oi linda, levas o verso na boca, no peito, na alma e o verso se deleita em ti e vice-versa... Saudades de ti. Bj com carinho.

Tuca Zamagna disse...

Dos seus olhos, que cacei no Válvula, fui despachado, de trem, para a boca da alogia...

Até que a mordida não doeu. Ou doeu e nem me toquei.

Beijos

Lara Amaral disse...

Seu dia é levado de poesia, leve, nos enleva, moça bonita!

Beijo.

Albuq disse...

Ahhhh tua poesia, bela!

Fred Caju disse...

Onde é que fazem as inscrições para o teu fã-clube mesmo?

Vais disse...

Ei Cris,
a linguagem pouca, rouca
o gesto falante que lambe o dia
o verso na boca que desce ao gesto traduzir

beijos, querida moça

Machado de Carlos disse...

Pois é, ele ainda espera na estação. Com a passagem na mão espera ansioso pelo trem.

André disse...

Olá, Cris,

belo texto, e portanto nada alógico! mas... e o que seria lógico, mesmo?...

Beijos e um bom dia!

André

Alberto Moreira Ferreira disse...

Cris,

uma palavra só

MARAVILHOSO

BJ

Daniela Delias disse...

Beleza pura! Bjos!