quarta-feira, 30 de março de 2011

Coisas de Poeta

(para Domingos Barroso)

nas tecituras
dos caminhares:
o canto das formiguinhas

[as coisas
não passam
pelo  vão 
despercebidas

nas tinturas
dos calcanhares:
o colo das formiguinhas

[as coisas
não passam
pelo chão 
desmerecidas

pelas barbas do poeta:
doce escarro

pelas botas do poeta:
dado espasmo


(Cris de Souza)

36 comentários:

Domingos Barroso disse...

Então o que faço?

[hesito em dizer qualquer coisa
diante do silêncio lacrimoso
dentro do meu coração]

Direi apenas que você é um encanto.
Uma borboleta especial
que vive eterna sobre
meus cílios.

Obrigado, obrigado, obrigado.

Sinta-se abraçada e beijada
brandamente.

Suzana Martins disse...

Hesito em versar qualquer poema com medo de tirar o ritmo das suas belas palavras...

Beeijos

Úrsula Avner disse...

Oi Cris, o que dizer dessas "coisas de poeta" ? Coisa linda, de quem tem uma lente a mais dentro de si... Bj com carinho.

Úrsula

Lara Amaral disse...

Eu que já acompanho o cavalheiro poeta há um bom tempo, vibrei com este poema-homenagem. Perfeito!

Beijosss...

Fernand's disse...

pelas barbas do poetas palavras que refestelam-se.



bjsmeus

Marcantonio disse...

Coisas de um originalíssimo, surpreendente poeta! Tradução perfeita com a classe e a beleza da sua própria poesia, Cris.

Beijo.

Assis Freitas disse...

salve o irmão dos miúdos seres, alquimista de fina estampa,


beijo Cris

Luiza disse...

é sempre bom vir aqui ler a tua poesia.

Um beijo!

Tatuagem disse...

Essa poesia é que não passou despercibida...

Beijo tatuado

Paulo Jorge Dumaresq disse...

Barbas, botas e outros dizeres éticos são coisas de poeta.
A Cris não mede (in)verdades questionadoras (?) SOBRE os caminhares e calcanhares de Domingos com preenchimentos de sábado.
Pequenos grandes versos tumultuam toda uma vida... de poeta...

Sandra disse...

Merecida e bela homenagem a um poeta de alma e coração como é o Domingos.
Adorei
Beijos para os dois

Jorge Pimenta disse...

coisas de poetas. das grandes e das mínimas brotam a essência do homem. admiro-vos a ambos, cris e domingos.
um beijo e um abraço!

R.B.Côvo disse...

Muito massa! Para mim dos melhores que já aqui li. Bela homenagem. Abraço.

Batom e poesias disse...

Seu ritmo também pega...
Não é de formiguinha.
bjcas

Rossana

Wania disse...

Cris

Coisa de Poeta... escrever bonito para homenagear quem bonito escreve!


Parabéns ao dois,
Bj grande

André disse...

Um texto entre simbólico e complexo, porém muito poético.

Parabéns, minha amiga poetisa, beijos e um bom fim de semana.

André

Fred Caju disse...

Esse aí, merece muitas homenagens!

Tania regina Contreiras disse...

De poeta para poeta...e vibramos nós!

Vais disse...

Moça Cris.tal,
que lindo!
homenagem de emocionar
muito muito bacana
beijinhos procês

Daniela Delias disse...

Que bonito, Cris...Domingos é genial, e foi lindo "lê-lo" através de ti! Bjos.

Valéria Sorohan disse...

Pelos olhos de um(a) poeta nada passa despercebido.

BeijooO*

Nilson Barcelli disse...

A excelência poética mora nas tuas palavras.
Gostei imenso, Cris.
Beijos.

Janaina Cruz disse...

Nossa Cris, você criou um poema história, mais que perfeito.

As formigas, seus passinhos, e as borboletas pairando nos belos olhos de alguém...

Abraços querida e ótima semana pra ti.

Tuca Zamagna disse...

"as coisas
não passam
pelo chão
desmerecidas"

Isso me deu um formigamento dos bons, Cris!

Celso Mendes disse...

É fascinante sua capacidade de tecer ritmos e de redefinir sentidos às palavras. Bela homenagem, lindo poema!

um beijo.

leila saads disse...

Nós duas falando dos poetas.
Você da inspiração/construção, eu da dor.

(Como sempre excelente poema, uma cadência deliciosa - nos passos das formiguinhas).

A.S. disse...

Por vezes os poetas deixam-se dissolver pelas palavras!

Beijos meus,
AL

Andressa disse...

o colo das formiguinhas :)

malu jacques disse...

Minha poetisa!
Você é maravilhosa...ultrapassa nosso ser!
Bjos

Jorge Pimenta disse...

andarilhos de pernas invisíveis carregando universos de palavras e dizeres que nunca couberam nas bocas dos homens.
um abraço a ti, diva de cris.tal, e ao nosso querido feiticeiro!

malu jacques disse...

Só posso repetir o quanto és melódica, sensível, inteligente...
Palavras que tocam lá no fundo...
Linda... linduuuuuu
Bjos querida

Cida disse...

Me encantei com as formiguinhas :)

Amiga Cris, deixei por aqui alguns dias atrás um comentário (bem longo por sinal), e ele simplesmente sumiu!...
Será que foi erro do blog ou erro da Cid@?...:))

De toda forma, voltei pra te deixar um abraço, e te desejar dias felizes.

Fique com Deus

Cid@

ROSANA VENTURA disse...

...o que dizer além do óbvio?
Lindo demais teu poema...
bjossssssssss

Paulo Rogério disse...

Duo singular!

Nocturna disse...

É o jeito Cris de escrever, tanspararecer, fazer renascer.
Tuas linhas são somente tuas ... e a escrita que transborda entre teus dedos é dádiva.
beijos olhos do pecado.

Marisa Vieira disse...

Adoooooro Cris!!!
Saudades de seu cantinho, tá lindo demais! beijos