terça-feira, 22 de março de 2011

Meia noite e um bocado


(the beatles/blackbird)



Meia noite e um bordado:  
Um pássaro deplumado
Pelo outono inteiro

Torna expressa a clareira
Onde a neve cobre os canteiros

Meia noite e um borrado:
Um pássaro debandado 
Pela outono interno

Torna espessa a clareza 
Onde a neve cobre os ponteiros


(Cris de Souza)

20 comentários:

Suzana Martins disse...

Poesia derramando outono em minha derme!!!

Liindo!!

Beijos

Valquiria Calado disse...

♥-.-.-.♥.-.-.-.♥
Um pássaro que busca acolhimento pra chegada do inverno...dificil espera.

bjos quentinho pro teu inverno.
♥-.-.-.♥.-.-.-.♥

Domingos Barroso disse...

Fabuloso!

(É como se a alma chorasse
sem lamentos e dor infinita
mas com a imensa clareza do instante!)



Beijo carinhoso,
poetisa.

Assis Freitas disse...

um pássaro em outono, que cor tem seu canto?


beijo

A.S. disse...

Cris,

Na espessa clareira da noite vagueiam todos os sonhos, todos os desejos!


Beijos meus,
AL

« Katyuscia Carvalho » disse...

E eu esperei tanta neve pra vir aqui...

Um beijo daqui, de onde a primavera desponta.

Batom e poesias disse...

Sou um pássaro debandado pelo outono interno...
Eu acho.
:)

bjs
Rossana

Vanessa Souza Moraes disse...

Meia noite e uma nova estação sempre virá.

Beijinhos!

Lara Amaral disse...

"Um pássaro debandado
Pela outono interno". Sou ele...

Que lindo e expressivo, Cris!

Beijo.

Machado de Carlos disse...

Em uma noite, consegui bordar minhas palavras, com pássaros; - como se fossem almas desemplumadas. Vivi um mundo inteiro postado diante de uma clareira em que as luzes sobressaiam com uma clareza, absoluta, marcando o ponteiro de um tempo sem retorno.

Pólen Radioativo disse...

Eita, minha fada, poesia e música causaram uma revoada e tanto!!!

Tecerás com as plumas um cobertor pra mim? Este pássaro traz a noite na alma e também sente, do outono, o desamparo.

Que bom ter você aqui por perto.
Mil beijos e cheiros...

Emoções disse...

Para ser poeta basta ser sincero, escrever o que sente, amar o que realmente deseja, e esquecer a beleza superficial das palavras que formam a poesia, pois se verdadeiro é o seu sentimento, puro será seu coração...e lindas serão suas palavras!

Fernand's disse...

para esse outono interno não há cobertor que dê jeito...




bjsmeus

Lobo Poeta disse...

Depois da meia-noite todos os "Pássaros" são pardos, todos os gatos safados...

Meia-noite e um bocado é a hora da Poetisa/Feiticeira cozinhar seus versos.

Que voam longe...

Beijos Encantados

Albuq disse...

Outono, pássaro... bela poesia.

André disse...

Bom dia, Cris!

neve... outono... ponteiros e pássaros... borrões... um contexto muito simbólico, certamente. Mas de alguma forma, me é algo familiar.

Parabéns, poetisa! beijos,

André

R.B.Côvo disse...

Gostei muito. Abraço.

Nilson Barcelli disse...

Belíssimo poema, gostei imenso.
Dos Beatles, nem vale a pena falar...
Beijos.

Jorge Pimenta disse...

todas as noites têm a sua meia; toda a completude carrega o peso dos bocados.
inteiro o poema, amiga de cris.tal.
ai, viajar neste teu trem!...
beijos!

Cida disse...

Deixe que a neve cubra os ponteiros. Quem sabe assim o tempo congele um pouquinho e a gente possa aproveitá-lo mais? :)

Tenha uma linda semana, menina poeta.

Beijos, e obrigada pelo carinho de sempre.

Cid@