terça-feira, 12 de julho de 2011

Ária de Assis e Outros Cantos...

 (para Assis Freitas)


 (Assis Freitas com uma interferência de Cris de Souza)


Ária de Assis


o poeta 
domina o corcel
abre o caminho 
com maestria

para as tintas 
das entrelinhas  
que dão asas ao pincel

o poeta 
denomina o cordel
arma o caminho 
com melodia

para o toque 
das entrelinhas  
que dão alma ao papel



Canto de Reconhecimento
ou Legitimidade


as digitais
    dos vossos versos
             (lendários versos!)          
de cada dia
  provam que a face 
da poesia
é vosso miliário
  documento



Canto Aludido
ou 
Quadrilha do Lago


o poeta
canta
 a pedra
canta
o sapo
canta
a donzela
cai  no papo
o poema
     pede silêncio



(Cris de Souza)


* Entrevista maravilhosa com o Assis Freitas, para ler clique aqui.

20 comentários:

Luiza Maciel Nogueira disse...

Maravilha maravilha! E Assis merece!

Beijos

Assis Freitas disse...

ainda estou embasbacado, depois eu comento sem a comoção que me toma agora,

beijo de luas para ti e tuas árias

Marcantonio disse...

Que concerto! Três movimentos esplêndidos com variações tonais. Sobretudo esse "Canto de Reconhecimento" é extraordinário! E de quebra, ainda, esse travesso e espirituoso moteto final.

Belo momento à altura do homenageado. Salve Assis!

Beijo, Cris.

Lara Amaral disse...

Mais que merecido para esse doce de pessoa e poeta exímio.

Beijos.

Bípede Falante disse...

Que bonito, Cris :) Beijo.

Tania regina Contreiras disse...

Bela homenagem, o poeta merece!
beijos,

Celso Mendes disse...

Três poemas, três musicalidades, a mesma sensibilidade e uma merecida homenagem ao grande poeta.

Só posso aplaudir!

beijo, moça das árias voadoras.

dade amorim disse...

Que linda homenagem, Cris! E bem merecida, o que é o melhor de tudo.
Beijo pra você e para o homenageado.

Analuz disse...

É tão bm cair no papo de Assis!

Belíssima homenagem,Cris!


= )

Domingos Barroso disse...

Assis é um majestoso poeta
ânsias e amplitudes
de um arauto e pégaso
(trombetas encantadas
e asas douradas)
...

Viva Assis!

(belíssima homenagem,
Crisântemo!)

Tatuagem disse...

Os versos de poeta são pura magia..

Beijo

Assis Freitas disse...

Cris, da tua lira só podiam soar acordes preciosos. Ária é sinônimo de canção, pois canto e assovio para os teus bemóis, sustenidos e afins. Sinto-me enlevado por que o gesto da palavra é irmão do carinho,


beijo de muitos agradecimentos e estima profunda

ROSANA VENTURA disse...

Amém!
Assis SEMPRE!
bjossssssss

Vais disse...

Cris, você é mesmo uma moça Cris-tal, muito bonita e talentosa e cheia de encantos.
Muito linda esta Ária para o Assis, poeta porreta dos bão que admiro por demais
emociona, mexe, toca
beijos de sincera admiração por vocês

Ricardo Valente disse...

Tua poesia, sempre ilumina o nobre cristal no escuro, gerando efeitos absurdos.
Abraço!

Daniela Delias disse...

Cris, são lindos os poemas...e o último então...a donzela aqui caiu por vc! O Assis merece, a poesia dele é necessária! Bjinhos!

Fred Caju disse...

Esse trem sem frequenta as estações certas!

Fé Fraga disse...

Cris,
Que maravilha
Gostei por demais dessa variação.
Um beijo,
Fé Fraga.

A.S. disse...

O poeta navega nas palavras
Naufraga em silêncios
E se o poema acende desejos
O poeta morde
Os seus próprios beijos...


Beijos!
AL

Jorge Pimenta disse...

querida amiga,
o imenso assis está em alta. acabo de passar no roxo violeta, da taninha, e encontro-o fustigado por um conjunto de espíritos curiosos :): mil e uma perguntas para cada um dos seus mil e um poemas :)
felizmente, pôde serenar ao chegar a este porto onde as nereidas têm sempre a voz afinada em conjugação musico-poética de olímpico merecimento.
um beijo para ti e reverência na lira!
p.s. este mês de julho consumiu-me o tempo. nem réplicas consigo deixar aos meus amigos, lá no viagens. mas escrever conjugando a minha mão com a tua tem de resistir para além das matreirices do tempo. em breve, musa encantada! aguarda-me mais uns dias.
beijos!