sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Epopéia de pores-do-sol

(Salvador Dali, la esfinge de azúcar)


sei-te num retrato
que inaugura pores-do-sol,
pequeno, gasto
como os olhos de um gato adormecido


na moldura chovem refúgios e castigos:
calafrios  sustêm o andar
num esquecimento musical,
pedaços de vidro engolem a voz
numa sinfonia despovoada.


sei-te num retrato
que  imatura pores-do-sol
perdido, bardo
como os olhos de um gato amanhecido


na mensura trovem respingos e perigos:
arrepios  sorvem  o andar
num  espaçamento musical,
pedaços de vela encobrem a voz
numa sintonia desnorteada.


e enquanto  sorris,
com olhos negros e dentes brancos
e todos os encantos de lume e terra,
roubas-me os passos tortos
com que despia as flores.


algures entre a saudade e o lábio
aprendemos a morrer
na distância um do outro.


e enquanto sentis,
com olhos negros e dentes bastos
e todos os recantos de lira  e esfera,
rouba-mes os passos tolos
com que desvia as flores.


algures entre a saudade e astrolábio
aprendemos a morar
na distância um do outro


(Cris de Souza & Jorge Pimenta)


22 comentários:

Jorge Pimenta disse...

eis o oitavo. que olhar aponta ao infinito?
beijo imenso, parceira de cris-tal!

Celso Mendes disse...

oito estrelas em sinfonia lírica que já tem marca registrada. a musicalidade e o lirismo da Cris de Souza com a genialidade em trabalhar palavras de Jorge Pimenta. e o resultado está aí, a deliciar-me os olhos a mastigar os versos para alimentar-me a alma.

beijo, Cris.
grande abraço, Jorge.

dani carrara disse...

e(r)mo cio nada, também. muito tudo lindo.

bjo

Analuz disse...

Nossa! vou repetir um pouco do que escrevi lá no Viagens:

Tu e Jorge arrasam...provocam rebuliço nos pelos e uma agonia boa no peito...

Beijinho com admiração!

Tania regina Contreiras disse...

Dupla lírica, que conservem essa parceria de inundação poética!
Beijos,

Luiza Maciel Nogueira disse...

Uma dupla para arrasar corações abandonados, adorei Cris e Jorge. Vocês formam um belíssimo par em versos. A ousadia de um e o canto solene do outro.

Beijos

Dario B. disse...

Repetir o que já foi repetido tantas vezes seria maçante, mas é de ficar relendo até decorar. E "algures entre a saudade e o lábio
aprendemos a morrer
na distância um do outro." merece constar em todas antologias. Bjo e abraço.

marlene edir severino disse...

Um belo trabalho com as palavras
que soa como canção

Parabéns Cris e Jorge: sedimentada a parceria!

Beijos aos dois

Domingos Sávio disse...

sempre que os leio
é como se juntassem
n'alma ossos e nas palavras
outro som como se estivesse
eu fora e vocês dentro
...

Beijo carinhoso,
Crisântemo.

Forte abraço, Jorge
grande poeta e amigo.

Cida disse...

Cris, foi o oitavo, e espero que muitos outros venham ainda, para o nosso deleite.
:)

Beijão aos dois, e tenham um belíssimo final de semana.

Cid@

Wilson Torres Nanini disse...

Cris,

essa parceria deu-se-nos altamente musical.

A sinfonia despovoada me arrepiou.

Abraços!

Assis Freitas disse...

a poesia tem essas antenas que irradiam e se fazem captar além das geografias e dos mapas, me comovo, deliro e me alumbro em vários tons, há ainda os sóis e seus bemóis que se (im)põem,



abraço e beijo

Adriana Karnal disse...

"rouba-mes os passos tolos
com que desvia as flores"
***
roubar é sempre furtivo, é fazer com q o outro não perceba sua presença....a eterna presença a lhe observar...aqui os passos tolos, esses cambaleantes entre o jardim...que imagem mais poética, que jeito de dizer sem dizer...ufa, que diálogo bem dito.

Dilso J. dos Santos disse...

À sintonia dos poetas
Em tons de duas gargantas
Que se acham sobre as cordas
E sopram a nós as músicas que cantam
E ao andar de nossas rodas
Um espaço sempre sobra das andanças
Para apreciar ao por-do-sol
Na verve que da pintura imóvel balança...

Grande poema!!! Abraço amigos do além-mar e espero que tenham gostado de meu poema pobre a poetas tão ricos.
Te encontrei em uma viagem sem luz e sombras... Adoro as poesias do amigo Jorge Pimenta e, com um toque seu, passei da adoração à fascinação... Linda dupla!!!

www.cronutopia.blogspot.com
Abraço!!!

Daniela Delias disse...

Eu adorei!!!
Bjos p/ os dois ;)

André Bessa disse...

Belas sonoridades neste teu poema-retrato, Cris. Meus parabéns!

Um bom domingo, abraços.

André

Elisa T. Campos disse...

Cris

Como já disse ao Jorgíssimo. Eta parceria p'rá lá de bom. E as palavras se encaixam em tudo. No
lirismo e na musicalidade.

I love my brother
I love my sister too.

Beautifull.

dade amorim disse...

Parceria mais perfeita, meninos. Nunca nos deixem sem ela. Poemas de tanto encanto, poemas a dois para todos que os admiram, só temos que agradecer.

Beijo beijo.

Vais disse...

Ei, Cris,
moça, o título, o quadro, o vídeo e a parceira de vocês neste emocionante poema, muito, muito tocante.

e este verso:
"algures entre a saudade e o lábio
aprendemos a morrer
na distância um do outro."

são aqueles momentos em a dor da distância física é tão forte que parece morremos vivos e nada alivia, nem palavras, nem acordes, as lembranças e as saudades são como uma lâmina fervendo rasgando e queimando a pele e a carne, e vem o alívio quando somos enterrados para depois surgirmos novamente.

UM PARABÉNS ENCANTADOR

beijos grandes pra vocês

Canteiro Pessoal disse...

---- é evidente uma sintonia em ambos. Obra que retrata beleza e alma.
Parabenizo-os, pois lê-los a quatro mãos causa admiração, e enamoramento por parcerias. E, quão pleno é, não saber onde um começa e o outro termina. Isso é lindo demais em tempos atuais.

Abraços aos dois em um!

Priscila Cáliga

Adriana Aleixo disse...

Registrando aqui o que registrei no blog do Jorge: uma perfeição tecida por vocês. Parabéns! ecos, palavras que combinam!

Bjo!

Wania Victoria disse...

Cris,

Deixo aqui o que escrevi lá no blog do Jorge: a saudade faz bela sinfonia quando se deixa captar por olhares apurados como o de vocês! Belíssima sinfonia!

Reconheço a tua pauta preenchida pelas notas musicais do Jorge. Harmonia perfeita!




Bravo! Bravíssimo!

Bjão aos dois