domingo, 15 de junho de 2008

(Entre)linhas




Trago-te a lua, elixir e poesia de rua
Leio tua aura e saboreio tua carne nua
Reescrevo ébrias linhas que a ti se alinha
Horas a fio que por nada me definha

Sublinho-te em versos que embriaga
Rumo a ti, intento em meu peito divaga
Se perde entre letras, respira entrelinhas
Em meu destino teu nome sublinhas

Entre a tua mão e a minha, há a palma da vida
Entre tua a alma e a minha, há voltas e idas
Metáforas te arrisco, em rabiscos te traço
Acentuada de inventos, rimados ao teu encalço

( Cris de Souza & Felipe Rey)

Um comentário:

cesar disse...

Amar deve ser ofertar a lua.