quinta-feira, 14 de agosto de 2008

Indizível




de qual
lírio roubaste
teu perfume ?

de qual
delírio floraste
teu lume ?

ah, quanta graça...
retrato entorpece, tapeia o cérebro
quanto cismo, frente em euforia se sabe

ah, quanta arruaça...
contato engrandece, ateia o ébano
tanto lirismo, rente a poesia nem cabe


(Cris de Souza)

4 comentários:

Ivan Santos disse...

Ah, se eu pudesse roubar uma vírgula, um ponto ou mesmo o silêncio que fica, depois da tua poesia...

fátima queiroz disse...

Cris
Adoro tudo o que você escreve!
Vou te linkar assim fico mais próxima e virei te visitar mais vezes

Fátima

Rita Costa disse...

Ulá, lá... Lindo!
Gosto demais da forma que escreves sabe. Sua poesia tem voz!

Beijinhos de Alma, Cris.

Nos horizontes do mundo disse...

Assim falou Rita:sua poesia tem voz!
Acrescento:corpo,alma e coração.