segunda-feira, 24 de novembro de 2008

Contraponto


pra que argumento
se o pensamento
é vertiginoso inseto?

inconsciente à vontade
ora voa tão baixo,
noutra voa tão alto
no contratempo

pra que cabimento
se a vida
é misterioso invento?

inerente à verdade
ora soa tão ávida,
noutra soa tão válida
no contrasenso

(Cris de Souza)

9 comentários:

Machado de Carlos disse...

Um Poema bem profundo, vale a pena parar e decifrar cada palavra envolvente.

lord jafa disse...

ñ ouso colocar um ponto neste contraponto. bravo!!!!

Anônimo disse...

Sua inspiração é inesgotável, minha Ingá. Não sei porque ainda me surpreendo com a intensidade de seus versos.
Vivo um momento de contraponto nessa vida de contrasenso.
Beijo, querida

rai2007 disse...

Versejadores encontramos mil na multidão. Um poeta que toca alma e leva-nos à amplidão do universo poético,esses raros por essas esquinas.

Cesar Maia disse...

Tens-como sempre-razão,poetisa:a vida não cabe em argumentos,por ser maior do que eles.Tudo acaba sendo um contraponto de tudo nos altos e baixos do itinerário...
Supera-te sempre em talento e paixão!

Vinícius Remer disse...

Contratempo

Cris que presenteia todos nós com lindos versos,
Distantes pela falta de tempo ou a não descoberta do que sucede.

Tatá R. da S. disse...

Perfeita retratação.. a vida é uma incostância, assim como os pensamentos volúveis.. =]
Amo-te!

Ulisses Reis disse...

Amo esse teu jeito de festejar , as vezes o não saber , e as vezes o quere, muito bom, teu estilo fico fascinado, pela tua poesia, beijos !!!

Ulisses Reis disse...

Verdade, ávida, válida, contrasenso.

Nossa alma , nosso ser tudo isso é uma eterna busca e aperfeiçoar, lindaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa, beijos !!!