sexta-feira, 7 de novembro de 2008

Labirinto


pra sorte
fender conto
no qual
me desmonto
basta chegar,
ofertar seu abrigo
basta olhar,
tocar meu umbigo
basta querer,
tomar meu sentido
me calar
e se valer
me rolar
e se meter
me encontrar
e se perder
por instinto
no labirinto

(Cris de Souza)

5 comentários:

orlando pinhº d-silva disse...

o eu
concentrico
concentra-se
todo
em seu umbigo
vai amigo correr o risco
leva-lhe um lírio
beija-lhe os lábios
aperta intro
para ter acesso
ao seu labirinto

Alexandre Spinelli disse...

Lindo... que música há nas tuas palavras que envolvem assim? Ou seria algum cheiro que achei que fosse daqui, de alguma flor...
Beijo!

Vinícius Remer disse...

( não demorei a voltar)

Todos nós somos como labirintos.
Entender uma pessoa é caminhar e não importa se a caminhada é fácil ou difícil. O que é importa é o labirinto, e dentro dele devemos apenas seguir.

"basta querer,
tomar meu sentido"
De que valem os sentidos se não podem ser compreendidos

Álvaro Andrade disse...

Gostei!

só acho q o "labirinto", no final, sobra... :)

Cesar Maia disse...

Perdido contigo num labirinto...(...)