quarta-feira, 11 de fevereiro de 2009

Sem ode


por aqui, eu verso
lanterna queimada
dedos afundo
espreito corte
- papel reverso

por ali, eu verso
perna pesada
degredo secundo
estreito norte
- babel transverso

folha rasgada
brisa me traga
mas nem sei onde estou

escolha travada
divisa me flagra
mas nem sei quem eu sou

(Cris de Souza)

8 comentários:

Cesar Maia disse...

"mas nem sei quem eu sou"
É,justamente,por isso que és poetisa.Poetas são loucos iluminados que não interpretam a realidade tal como ela é.Isso é para cientistas.Poetas enxergam no escuro e por isso não sabem quem são...São inigualáveis!

Machado de Carlos disse...

A Filosofia existencialista considera que cada homem é um ser único que é mestre dos seus atos e do seu destino.
Seus poemas nos faz pensar e, muito!

Anônimo disse...

"Folha rasgada brisa me traga
MAS NEM SEI ONDE ESTOU"...

Eu sei!!! Estás no coração de todos nós.

"Escolha travada
divisa me flaga
mas nem sei quem eu sou"..

Eu sei!!! Tu és minha INGÁ

Beijo, querida

Regina disse...

E eu...venho aqui só para ler seus versos,sempre tão intensos!

Adoro!

Éter Na Mente disse...

Oi moça,

Lindo poema. Adorei de verdade.
Não só esse como os outros tb.

Parabéns.

Te visitarei com frequência.

Abços fraternais

POETICAMENTE FALANDO... disse...

Cris amada...

Adoro muito vir aki, sempre, e ficar lendo, lendo, me recarregando de emoções!!

Adoro-te!

Beijos!!!

Reggina Moon
(meu blog mudou de link)

Ulisses Reis disse...

Cris, amo esse teu estilo, vagueia por mundo e vias que poucos vão e consegue trazer a msg do jeitinho que quer, ludico, brilhante, beijos !!!

Felipe Rey disse...

Rítmica & musicalidade impecáveis. adquiriste uma preciosa marca poética.
Avante
Cris !