segunda-feira, 27 de abril de 2009

Do imo ecoa

Tempo que não me ouço
Estranho sopro
Sibila som agudo

Tempo que não me movo
Acanho corpo
Oscila tom desnudo

Se abafo alta nota
Amplifica grave sobra
Espio mudo grito

Se acato cisma torta
Clarifica rouca volta
Ergo surto dito

(Cris de Souza)

14 comentários:

Cuca disse...

Assim me quebra...
(emudeci)

Tatá R. da S. disse...

Não abafe o grito interior!
Liberte-o, antes que ele o algeme.

Beijos mamis lindona!

Machado de Carlos disse...

Em resumo; a paz é infinita!

DJ Anael disse...

Atente ao coração!

José Pedro da Silva disse...

Linda!!!!!!!!

beijosss

Bel disse...

♪ Sou feliz, por isso estou aqui
Também quero viajar nesse Vagão!
Super fantástico!
No Vagão Mágico!
O mundo fica bem mais divertido! ♪

Lindo demais Cris!
Beijos

Gersonn Jacques disse...

Imo, lar
dentro
imóvel
imoral
Imo, ser
intro
Imortal

Cristina disse...

Xaralita
como se minha alma
tivesse sussurrado
no seu coração.
lindo!!

Paulo Vitor Cruz disse...

música para os meus olhos...

hum, teclando em música, me lembrei da música que te prometi...ta quase pronta...falta só uns "ajustes" na harmonização...(umas chaturas minhas, sabe...)

*precisamos teclar a respeito...e tbm a não-respeito...

bai.

REGGINA MOON disse...

Cris,

"Seus poemas são encantados, daqueles que a gente lê de uma só vez e ficam dentro de nós!"

Beijos!!!

Reggina Moon

Lucas de Oliveira disse...

mui bueno!

orlando pinhº d-silva disse...

do ego ao eco

ouvir-se em tempo
todo som
sibilo grave agudo

mover-se em tempo
estirar corpo
no oscilar do tom desnudo

alta nota amplificada
sem abafo em grave sombra
espiando o grito falante

cisma torta não acata-se
clarificada louçã volta-se
ergue dito surto

ops

Lilian disse...

Lindo ! Como tu que escreves (:
Beijos.

Henrique disse...

e volta? ai é tão difício o que vc escreve


vc volta por causa da cisma?