domingo, 17 de maio de 2009

Pulso


Como a suspeita
Cativa o que custa ?

Fluidez da idéia
Escarra anseio
No ócio implícito

Como a espreita
Criva o que pulsa ?

Solidez da veia
Encara seio
No ópio explícito

(Cris de Souza)

9 comentários:

Anônimo disse...

o que mais pulsa em mim, são as idéias. vulcão constante a derramar àquilo que minha mente cria, àquilo que projeto no cosmos com as ondas eletromagnéticas. assim vc cris faz com estas palvras que pulsam...só pulsam para traduzir-te! beijo..

Tatá R. da S. disse...

Forte e ímpar!
Adorei!
Cris, da poesia matriz! ^^
<3

Machado de Carlos disse...

Cative-me, crive-me. É o sangue que pulsa-me.

Cuca disse...

Os deuses ditam-na!

Paulo Vitor Cruz disse...

quero o ópio pra me explicitar...risas...(n sei pq, mas me deu a mó vintade de teclar isso agora...mesmo ficando um pouco nada a ver...)

*apareça p teclar....meus deidinhos sentem saudades, tadinhos....

abs.

José Pedro da Silva disse...

lindo. Cris!

beijos.

Lilian disse...

Impactante.
Lindo...
Beijo Cris ! ^^

Gery Almeida disse...

Lindo espreitar as incógnitas da vida e seus anseios!

No país do futebol, isso que é fênomeno pra mim...

Beijo-te calientemente e pulsamente
XD

DJ Anael disse...

Deve-se dar valor ao consistente. A demora se faz necessária em razão das necessidades.