terça-feira, 11 de agosto de 2009

Confronto


Estou prestes a debandar
Mas pra seguir em frente
Deixo um pedaço pra trás

Estou prestes a despencar
Mas pra sentir descrente
Deixo um espaço a mais

Sei lá como devo agir
Eu nunca soube me definir

Sei lá como devo partir
Eu nunca soube me despedir

(Cris de Souza)

15 comentários:

Amannda Dantas disse...

Eu não sei me despedir. odeiu despedidas.Mesmo sabendo q é impossível não partir. tanta coisa q acontece na nossa vida e... que eu não sei... por isso q dói. dói, dói muito! Parabéns Rainha. vc sempre cm as palavras nos encaixes quentes... sempre me colocando a pensar!!! Bravo!!!

Felipe Rey disse...

bom demais da conta sô ! já fiz até um samba quebrado . . .

Tatá R. da S. disse...

É difícil deixar algumas coisas para trás, vai sempre um algum pedaço nosso junto, né?
Suas palavras são legenda do coração.
Beijos! <3

Cuca disse...

Mesmo que tu vás, tua arte ficarás.

Cuca disse...

" Sei lá como devo partir
Eu nunca soube me despedir "

De lascar, guenta coração!

Machado de Carlos disse...

Fantástico! Navego em sua maré!

rai2007 disse...

Quem saberá a hora da partida? Adiamos sempre o último encontro e seguimos sem saber como dizer adeus.
Mas há poesia entre as certezas e as dúvidas na hora da despedida.

Úrsula Avner disse...

Que encanto de poema Cris ! Você articula as palavras de modo descontraído , inteligente, metafórico, num canto poético melodioso e envolvente. Lindo ! Bj.

Mateus Araujo disse...

O nome deu um toque a mais
Adorei Cris
*_*

Poetiza da lua, essas viagens acabam me levando

;*

REGGINA MOON disse...

Lindooo demais esse Confronto!!!

Que maravilha, Cris!!

Beijos,

Reggina Moon

Paulo Vitor Cruz disse...

é desses confrontos q se fazem os novos encontros...risas...(até rimou isso...acho q hoje eu acordei rimador....)

*mto bacana esse...tá entre os meus preferidos...

bai bai.

Maria Paula Alvim disse...

Poxa, Cris, este poema é a minha cara ;) Gostei muito do seu blog, viu?

Pedro Aruvai disse...

amei... sentir um pouco minha, contraditoria, dilacerante, do fundo da alma... linda!

Lilian disse...

Ai Cris,é lindo !
Sei lá como devo partir
Eu nunca soube me despedir
Tbm nunca soube...e nem sei se quero aprender.
Ai meu core ! rsrs
A-m-e-i!
Beijooooooooos! \o/

Anônimo disse...

Na surdina

silêncio me habilita
Não é meu esse delírio
E nele me burilo

A rever gestos
Que se espaçam
Nesse mundo vadio

O silêncio me habita
Não é meu esse martírio
E nele me exilo

A romper restos
Que se esgarçam
Nesse fundo vazio
(Cris de Souza)

É...
Mas o silêncio te perturba
desde o âmago de tua alma
Troveja, relampeja
estilhaçando tuas vidraças

O teu exilo neste mistério
faz-te romper muralhas
Por mais que seja o vazio
Há uma voz que retumba

“A romper gestos
“Que se esgarçam”
Além do vasto céu airoso.

(José Ferreira)