segunda-feira, 17 de agosto de 2009

Na ilha



Estranho barulho
São vozes ancoradas
Secando seus sais

Por trás do que calo
Há uma multidão de ais

Tamanho marulho
São fozes abarcadas
Molhando abissais

Por trás do que falo
Há uma solidão de cais

(Cris de Souza)

16 comentários:

Tatá R. da S. disse...

Oceano de sensibilidade e beleza!
Bárbaro, né?!

Mateus Araujo disse...

Relaxa, no obscuro do mar profundo, o cais, sabemos que ainda há vida, e são daqueles peixinhos que acendem luzinhas... skaoskoa
Coisa linda de poesia!
BJUL♥

Machado de Carlos disse...

As metáforas falam verdades que existem dentro delas e dentro de nós. Pelo menos uma parte do mundo é de nós outros.

Lilian disse...

Lindíssimo que só tu mesma !
Beijo.

malu jacques disse...

Inteligente e muito sensível!!
Teu ser é assim!
Te admiro!

Amannda Dantas disse...

Deve haver um porto. São tantos "ais", tanto "isso", tanto " nada"... que numa mistura só vira saudade e o sentir-se só. muito bom rainha. bravo!

REGGINA MOON disse...

Por trás do que calo
Há uma multidão de ais(...)
Por trás do que falo
Há uma solidão de cais.

Exatamente como me sinto por vezes, nessa sua "Ilha"...

Lindo demais Cris,

Beijos,

Reggina Moon

Bubaloo disse...

Excelente... palavras e imagem num enquadramento perfeito.

Muitos parabéns pelo encontro que dás ás palavras e á imagem.

bjks

Paulo Vitor Cruz disse...

o mundo e as suas muitas faces...as falas e as suas muitas faces...a beleza n é uma só!!

abs.

Cuca disse...

és admirável!!!

José Pedro da Silva disse...

belissimos versos, linda poetisa.
besos!

Úrsula Avner disse...

Belo Cris, sua escrita é apaixonante. Bj com meu carinho.

Pedro Melo disse...

killer poetry!!!

rai2007 disse...

"Por trás do que falo
Há uma solidão de cais".
Identificado:
quando estou solo, falo muit, demais.

rai2007 disse...

Palavras voam.
São aves em busca de ninho.
Falo, falo.
Não calo sozinho.

rai2007 disse...

"Por trás do que falo há uma solidão de cais".

Poucos poetas atingem a nossa alma com tamanha inspiração.