domingo, 28 de fevereiro de 2010

Das vias de fato

O passo distante
Se aproxima
Do tempo perdido

Sai em qualquer direção
Pra não ver a vida
Parar invertida

O passo adiante
Se aproxima
Do tempo partido

Cai em qualquer dimensão
Pra não ver a vida
Passar indevida

(Cris de Souza)

18 comentários:

Byers disse...

=D ate na tristeza vc é genial cris.

passou no meu rigoroso processo seletivo rubão, rs

=*

Anônimo disse...

Adoro sua maneira de escrever.
Tudo flui e vai de encontro ao profundo, verdadeiramente.
Me encontro tantas vezes, tantas vezes me alerto. Genial, de fato.
Luz Cristal!

Tatá R. da S. disse...

O tempo perdido as vezes se torna nosso pior inimigo.
Lindo e triste, mamis.
Beijos, amo-te.

Paulo Vitor Cruz disse...

'pra não ver a vida passar indevida' eu preciso te ler sempre, chica... das vias de fato, eu tiro a minha razão...

abraço grande.

rai2007 disse...

Quando o poeta ouve os próprios passos, seus versos são tecidos com fios de nuvens, nas horas passadas e não perdidas.

Úrsula Avner disse...

Oi Cris,

ah essa arte de manejar as palavras com emoção... Lindo ! Bj,

Úrsula

Machado de Carlos disse...

Zeus para desbancar a astúcia de Sísifo, enviou-lhe outro deus; muito poderoso! Era o deus, cujo nome Tempo, pois Sísifo enganara a poderosa deusa Morte, com um valioso presente (Já que a mulher adora presentes preciosos), segundo ele um colar todo de ouro e pedras raríssimas, mas era uma coleira.
Pois bem, o deus Tempo continua até hoje imperando sobre os mortais.
Eu adoro a deusa do amor, ma já é outra história...

Almeida Lucius ™/ Ulisses Reis ® disse...

Agora aqui vou sempre comentar , como essa tua bela poesia, amo cada palavras tua construidaé um rio de agua limpida e cristalina, meus parabens, beijos !!!

Mateus Araujo disse...

lindo amor *_*

Cuca disse...

De fato, tu és uma poeta de infinita grandeza...

Além de um ser humano fantástico, te amo!

Henrique disse...

quem manda conceituar o passo? a vida não tem pernas

Fábio de Souza disse...

pura memória. e o que é um poeta senão isso: memória?

sempre simbólica, dando a deixa ao leitor...

Priscila Rôde disse...

Você em qualquer tempo, expira poesia como só você sabe! A beleza é tão grande que lá no fundo eu peço pro tempo se perder - de mim - novamente, eu sempre o encontro nas suas linhas. Em verso, em rima..

Que seja triste, que seja belo.


Beijo Cristal!

Antonio disse...

Se um dia te perder te encontro com certeza, talvez no tempo da delicadeza onde não diremos nada, nada aconteceu, apenas seguirei, como encantado, ao lado teu.(Chico Buarque)
No tempo perdido procuro te achar e não consigo e nele me perco também...
Beijos, minha Ingá

Machado de Carlos disse...

Foto Digital

Mulher, a saudade mata... no espaço!...
Sedento de amor, beijo teus olhos...
Na corrente, ainda sinto teu perfume!
Tenho fome sensual da poesia lírica.

Reluz!...- Beijo teu riso de marfim!
Tenho sede do teu cheiro sensual
A saudade me mata na corrente...
Tenho fome, amor, da poesia no espaço.

Que saudade dos olhos de perfume!...
Um beijo de marfim marcou o espaço
Amor, - distante... - tenho sede e fome!...

A saudade fundiu-se no teu perfume!...
A tua voz é presente na minha alma!
... a corrente levou a poesia do sonho!...

Machado de Carlos

Publicado no Recanto das Letras em 29/08/2008
Código do texto: T1152387

J.F. de Souza disse...

Olha... Interessante... =)

Voltarei. Ainda escrevo algo em cima desse escrito teu! =)

=*

Rodrigo Passos disse...

você tem que estar preparado para se queimar em sua própria chama:como se renovar sem primeiro se tormar cinzas?
(nietzsche)
Obs: DIGO amém pelas suas palavras!!

Machado de Carlos disse...

Sonho

Ouço tua voz cristalina;
és a noite, meu cristal!
Canto versos de menina,
com a voz em teu portal!

Machado de Carlos