quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

Mesclado

Arte: Brooke Shaden


Você é meu poema, 
minha tela 
e meu sapateado. 
Minha dança 
e minha performance.

Você, escultura viva em mim!

Você é meu emblema, 
minha aquarela 
e meu tablado. 
Minha lembrança 
e minha overdose.

Você, escritura viva em mim!

(Cris de Souza)

9 comentários:

Assis Freitas disse...

ah que vício bom




beijo

José Carlos Sant Anna disse...

Eis o íntimo sentido do poema: a representação como a instauração de dada uma realidade recriada pela memória e pelo acontecimento da palavra. Parabéns pelo belo poema!

beijo, caríssima!

Tania regina Contreiras disse...


Meu bem, meu zen, meu mal...

Você tá que tá, maquinista! Em fase escandalosamente inspirada, heim?

Beijos,

Luciana miranda disse...

Poema MAraVilhoSO !!!! Adoro seus versos !!!!

Luciana miranda disse...

Lindíssimo poema !!!!
MAraVIlhoSA .... Bjs

jorge pimenta disse...

poema-oração para aqueles instantes em que atravessamos, vivos, o inferno...

beijos, cris-tal!

Ana Pereira disse...

Boa tarde
Passei pelo teu cantinho para te dar a conhecer o meu modesto espaço de poesia.
Espero que gostes. Um abraço, Ana Pereira
http://almainspiradora.blogspot.pt/

Machado De Carlos disse...

Uma realização poética!

José Eliziário disse...

Poeta Cris, tenho a grata safisfação de vê-la cada vez melhor, mais assertiva e objetiva e com versos cada vez mais cativantes. Minhas sinceras reverências.