domingo, 19 de setembro de 2010

Conluio

(Salvador Dali, Inferno)

conjugava
com seus demônios

sentia
o rugir do andar
por debaixo do fogo

o tempo da flagelação
era seu inverno peculiar

comungava
com seus demônios

surtia
o ruir do altar
por debaixo do rogo

o templo da frustração
era seu inferno particular

(Cris de Souza)

18 comentários:

Cuca disse...

Nossa Cris, me arrepiou...
Tão diabólica, quanto divina.
Me curvo perante à suas tramas.

Beijos de queixo caído, dona da lira!

Cuca disse...

Um poema
como um gole d'água
bebido no escuro.
Como um pobre animal palpitando ferido.
Como pequenina moeda de prata
perdida para sempre na floresta noturna.
Um poema sem outra angústia
que a sua misteriosa condição de poema.
Triste
Solitário
Único
Ferido de mortal beleza.

(Quintana)

Domingos Barroso disse...

O que me apraz
(mesmo diante
e sob esse inferno todo)
é que tua alma (leve, curiosa
e das alturas)sempre plantará
um céu íntimo (pessoal).

Carinhoso beijo.

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Comprazer-se nos vícios é comum... Com.prazer-se na dor, mais raro...
Pra além do belo poema, marcou a reflexão de mostrar que inferno é sempre escolha; e que só o largamos quando a dor que nos inflige superar o prazer que inda nos dá...

Bjs mil, Cris! :)

AC disse...

Poema muito intenso, num mergulho interior de encontro aos demónios que nos habitam...
Fez-me lembrar a Idade Média, quando os frades se auto-flagelavam a fim de se libertarem dos pensamentos pecaminosos...

Beijo :)

Assis Freitas disse...

inferno particular, quem não os tem? as palavras refrigeram


beijo

Maria Paula Alvim disse...

Muito fortes e envolventes os seus versos. Belo poema.

Machado de Carlos disse...

Particular inferno seu. Era frustração do templo.
O rogo do...
Debaixo por altar do ruir o surtia;
demônios seus com...
Comungava peculiar inverno.
Seu era flagelação do tempo.
O fogo do:
— debaixo por andar do rugir o sentia...
Demônios seus com...
Conjugava o conluio.

Lara Amaral disse...

Fico a sentir depois de ler

"o rugir do andar
por debaixo do fogo"

Uau!
Beijo.

João Lenjob disse...

Adorei seu poema. Muito bom!!
Espero sua visita no meu.
Beijos!!

João Lenjob.

Machado de Carlos disse...

Sempre há necessidade de conjugar os meus verbos, em todos os tempos com os meus próprios demônios.
Gostaria muito de sentir o rugir do seu andar, mesmo quando esteja debaixo de fogos!
Sim, sim e sim: — O tempo é responsável pela flagelação, não só no inverno rude, mas também em todas as estações que é a soma do movimento da Terra em torno do Sol; uma translação infinita.
Comungar? — Apenas comigo mesmo, em estado de vigília, pois quando o sono chega, quem sabe estarei à frente das trevas.
Há surtos, sim, mas distante dos altares, sem nenhuma capacidade para rogar, pois o tempo é imperdoável; assim como “Sísifu” tenta levar sua pedra ao cume.

Albuq disse...

Fiquei aqui refletindo, sobre meus infernos particulares kkk

Perfeito teus versos, bjs

Valéria Sorohan disse...

Fica registrado apenas o meu espanto diante da tessitura do texto, que é uma escrita marcante.

BeijooO*

fábio de souza disse...

quem entre nós não guarda seu próprio inferno?

de uma sensibilidade "infernal".

muito bom.

desculpa o sumiço, mas a vida anda me cobrando uma certa praticidade. mas o quanto antes eu volto, com mais experiência, mais a dizer, mais a escrever, mais a deixar transbordar.

bjo, Cris.

até a próxima.

ROSANA VENTURA disse...

Diabólicamente divino seu poema...!
bjossssss

Marcantonio disse...

Aqui, em silêncio, pensando. Tentando ouvir o fogo por debaixo desse altar das palavras...

Beijo.

Pólen Radioativo disse...

Tramado friamente com o fogo das mãos que modelam o próprio destino...

Muito massa a combinação com Dalí!!!

Beijinhos, linda!

César disse...

'o ruir do altar por debaixo do rogo'..
muito bom mesmo, kree.
abraços.